Vendas de Natal devem injetar R$ 68,4 bilhões no varejo

    0
    12


    Entre aqueles que não pretendem presentear no Natal, a principal justificativa, apontada por 26% dos entrevistados, é a falta de dinheiro

    O comércio deverá se beneficiar em grande medida da volta das festas natalinas familiares e corporativas este ano na esteira do progresso da vacinação. Segundo pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise Pesquisas, aproximadamente R$ 68,4 bilhões serão injetados na economia com o movimento de compras de fim de ano.

    “Com o avanço da vacinação e o pleno funcionamento das atividades comerciais em todo o País, a expectativa é que 77% dos consumidores presenteiem este ano, retornando ao patamar de consumo pré-pandemia”, diz o relatório da pesquisa da CNDL e da SPC Brasil.

    Também, segundo o levantamento, é esperado que 123,7 milhões de pessoas devem ir às compras de presentes de Natal, o que leva à projeção da injeção dos R$ 68,4 bilhões na economia.

    Ainda segundo o estudo, entre aqueles que não pretendem presentear no Natal, a principal justificativa, apontada por 26% dos entrevistados, é a falta de dinheiro. Outros 19% alegaram falta de costume de presentear no Natal e 16% alegam falta de emprego.

    Na avaliação do presidente da CNDL, José César da Costa, o avanço da vacinação e a reabertura total das atividades comerciais em todo o País trazem uma expectativa para o setor, mesmo em um cenário de dificuldade econômica.

    “Este ano será possível realizar festas e eventos sociais e coorporativos. Isso também estimula as compras e o consumo. Apesar do cenário econômico preocupante, a pesquisa demonstra que a força simbólica e cultural do Natal se sobrepõe às adversidades que os brasileiros ainda lidam com a crise econômica. O Natal é o período mais aguardado do ano para consumidores e comerciantes e dá indícios de que a disposição dos brasileiros para consumir está retornando, ainda que aos poucos”, destacou Costa.

    Estadão Conteúdo


    CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



    Source link

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui